Buscar
  • miltoques

Paciência e sofrimento

Atualizado: Mar 31

A paciência provoca-me uma forte atração. De todas as excelências é a mais atraente e interessante. É muito difícil ser paciente, ao mesmo tempo, a paciência parece carregar consigo uma atmosfera divina, uma qualidade sagrada, verdadeiramente sábia. Provavelmente erro, mas não consigo evitar associar etimologicamente a soma das palavras passio e scientia, sofrimento e conhecimento, sofrer com conhecimento, sofrer com ciência, sofrimento consciente. Uma visão precipitada do senso comum é a preconcepção de que o Sábio não sofre. Os ensinamentos ensinam que o Sábio sofre com a única diferença de ele sabe o porquê sofre. Ele compreende o seu sofrimento e isso lhe permite transformá-lo em serenidade. Logo, não existe vida humana sem sofrimento. O que fazemos com o nosso sofrimento é o nosso único encargo, diria Epicteto. Outra precipitação é julgar a paciência como passiva. Não há nada de passivo em verter o sofrimento em saber, ao contrário, é o sofrer sem se esforçar para saber o porquê. Danilo Patutti

19 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Fragmentação psíquica

Os humanos estão fragmentando seus psiquismos com o modo de vida cultivado hoje. Nem percebem. Fragmentação psíquica, novas doenças psicológicas. A destruição da faculdade de atenção, ou se quiser, fo

Falibilidade

A noção de incomensurabilidade entre os paradigmas de ação e ajuizamento moral é uma perspectiva teórica muito útil quando refletimos sobre a preservação do direito individual à opinião própria e ao e

Formação Moral

A formação moral esbarra na definição do “correto a ser ensinado”. A Unesco propõe como resposta a valorização do multiculturalismo, da tolerância e do respeito às diferenças, do reconhecimento do out